Buscar
  • Tiãozinho Safrater

Assumindo responsabilidades e superando os desafios

Última parte da série em homenagem aos 50 anos da Safrater


Quando Odair deixou vago o cargo, por volta de 2001, Daniel foi convocado pelos mentores a assumir a responsabilidade de implementar o Plano Diretor, desenvolvido pelos fundadores. E mais uma vez, enfrentou enormes desafios, porém com uma equipe de grandes pessoas, conseguiu “por a cabo a empreitada”.

2ª etapa da Missão


Reformou e ampliou a Creche que contava com 120 crianças e passou a atender 158, limite permitido pelo convênio com a Prefeitura. Cobriu o solário que passou a ser o Espaço Cultural que leva o nome do Odair, reformou cozinha, banheiros, parquinho e criou a hortinha e mais salas. Reformou, melhorou e ampliou as instalações do Núcleo, instalando caixa de água subterrânea, criando novas salas, e o atendimento que era de 90 crianças, chegou a 400 crianças após a construção do prédio do Núcleo II semi-profissionalizante. Em 2007 introduziu o MOVA-Alfabetização para adultos com inclusão da informática para idosos.

No Núcleo e Creche introduziu sistema de relatórios diários, semanais e mensais de avaliação; e reformulou o propósito de apenas recreação, para apoio ao aprendizado escolar, pois notou que muitas crianças com 12 anos ainda não sabiam ler, fazer um exercício matemático, entre outras carências pedagógicas. Alguns tinham muitos traumas adquiridos por má condução de professores na alfabetização. Passou a ser diário o reforço escolar e apoio ao aprendizado.



O que rendeu elogios de diretoras de escolas públicas que notaram a diferença de aprendizado dos alunos que frequentavam o Núcleo Tiãozinho. Isso graças aos voluntários que doaram seu conhecimento e tempo para esses aluninhos.






Ainda no Núcleo, introduziu o semi-profissionalizante para alunos acima de 10 anos.


Além da informática e robótica, que passaram a ser obrigatórias, oferecia curso de moda onde se aprendia a corte e costura; curso de balé, xadrez, inglês, espanhol, violão, artes, ginástica, futsal, tênis, culinária com boas práticas de higiene e confecção de alimentos, e um grande diferencial, que foi o PHAVI-Programa de Habilidades para a Vida, onde alunos aprendiam a fazer boas escolhas na vida, seja na alimentação, leitura, diversão, esporte e o principal, escolha de boas relações pessoais. Esse programa, desenvolvido por sua filha Zila Van der Meer Sanchez Dutenhefner, atualmente Doutora e Docente da Escola Paulista de Medicina, fez a grande diferença. Foi premiado em 2010 pelo Prêmio Nacional SENAD, classificado em 2011 no Prêmio Unicef entre os 5 melhores projetos de entidades de grande porte entre 2.922 projetos inscritos do país todo. E o programa continua, até hoje, sob a coordenação da Dra Zila e suas mestrandas.



3ª. Etapa da Missão


Em 2002 o projeto do CETECC foi aprovado pelo BIC, porém em 2003 mudou o governo e o dinheiro nunca chegou até a Safrater. Mesmo com tantos eventos, campanhas, não se conseguiu chegar a um valor que pudesse dar início à obra.

Porém apareceu um senhor, muito generoso, espirita, que já havia construído pequenas escolas para outros Centros Espíritas, que resolveu vender uma de suas propriedades, para conseguir o valor para ajudar a iniciar o projeto. O senhor Odaercio, que se tornou um grande amigo de Daniel. Aqueles seres que surgem do nada, enviados pela equipe espiritual.


E foi com o CETECC, iniciado em dezembro de 2010, e sua 1ª. Fase inaugurada em 28 de setembro de 2013 que pôde chegar mais perto de finalizar o Plano Diretor, deixado pelos fundadores, e iniciar os cursos de profissionalização à partir de agosto de 2014, para alunos de 14 a 59 anos. Foi necessário realizar muitos projetos de captação de recursos junto a FSA-Fundação Salvador Arena, Fundação Banco do Brasil, Fundação Gerdau, PRO VIDA, Abraço, entre outras instituições, além de muitas pessoas físicas, que ajudaram a concretizar e equipar o CETECC, e concluir a Casa do Caminho Unidade Jabaquara. Como todo grande sonhador e realizador, Daniel pretendia utilizar os espaços para cursos de desenvolvimento do espiritismo. Fundar uma Universidade Espírita e inaugurar o CECID, para atender idosos da região, oferecendo um serviço de 2ª à 6ª feira com alimentação e muitas atividades de manhã até o final do dia, com a finalidade de cuidar, amparar e dar dignidade à pessoa humana na velhice.


A cada nova necessidade, o plano espiritual se mostrava atuante de forma irrefutável. Do nada, aparecia alguém que resolvia doar a exata quantia que faltava para iniciar ou terminar alguma demanda urgente. Mas isso era de um dia para o outro.



Em uma 5ª feira Daniel planejou a compra dos vidros para fechar o refeitório do CETECC, e precisava angariar 150mil, sem ter de onde tirar. Na 6ª feira recebe uma ligação da secretaria informando que uma senhora resolveu aumentar sua contribuição mensal e também fazer uma contribuição especial. Essa contribuição especial era exatamente os 150 mil necessário para a colocação dos vidros do refeitório.


Muitas vezes isso aconteceu ao longo dos anos. Vendo o esforço e boa vontade de todos, o plano espiritual sempre se mostrou atuante e solidário pela manutenção e ampliação da obra. Por isso as equipes sempre foram muito confiantes.


Daniel também não se esqueceu de todas as atividades voluntárias desenvolvidas aos finais de semana e durante a semana, nas 3 unidades. Muitos cursos que foram introduzidos aos finais de semana, e muitos continuam existindo até o presente, ministrados nas instalações do Núcleo e no CETECC. Ele mesmo era voluntário ministrando aulas de Educação Financeira para o CAJ, CEDESP, Núcleo, e nas reuniões de capacitação mensal das unidades.


Muitos cursos que foram introduzidos aos finais de semana, e muitos continuam existindo até o presente, ministrados nas instalações do Núcleo e no CETECC.

Ofereceu muitas melhorias e apoio à todas as equipes, não medindo esforços na tentativa de atender todas as necessidades e demandas colocadas. Sempre achava uma solução e tempo para realizar as ações necessárias. Deixou para as gestões futuras, a concretização da área de convivência e prestação de serviços, para manutenção da obra, onde pretendia instalar uma padaria comunitária, cafeteira, uma biblioteca, livraria, o Bazar Tiãozinho e estacionamento diurno para o entorno e para os eventos. Além do CECID, Centro de Cuidados para Idosos, que seria uma casa para idosos diurna. Esta deu o que falar, pois toda a equipe citava que estavam legislando em causa própria, pois todos ficariam idosos e lá seriam cuidados. Pretendia comprar, reformar e equipar a casa ao lado do CETECC, na Rua das Corruíras, para atender a população do berço ao túmulo, como citava. Algo que desejava realizar, mas o plano espiritual o convocou para novas experiências em 15 maio de 2019.


Foi em dezembro de 2018, que passou oficialmente a presidência para nosso querido Maurício Medeiros, filho do grande Milton de Medeiros, fundador da Safrater, que assumiu a incumbência de manter o que seu pai iniciou. Daniel entregou uma obra profissionalizada, sanada, com reservas financeiras e programas de captação suficientes para sua manutenção. Estruturada com todo planejamento e rotinas estabelecidas, controles e indicadores suficientes para administração e auditorias, o que já ocorria há anos, e atendendo mais de mil pessoas diariamente durante a semana, e cerca de 1.300 aos finais de semana. Oferecendo, não só uma estrutura com equipamentos adequados, alimentação para todos os frequentadores, funcionários e voluntários, mas também uma gama de oportunidades de desenvolvimento e profissionalização para toda a comunidade, bem como de evolução espiritual.



DANIEL MARTINS SANCHEZ - 13/10/1951 – 15/05/2019
Daniel pretendia fazer muito mais, e como era um excepcional realizador, com certeza teria conseguido concretizar todos esses desejos, no entanto, cumpriu com louvor sua missão e deixou um legado e exemplo a ser seguido pelas novas gerações que assumirem a continuidade dessa grandiosa obra,

que teve início com Dona Regina em 1971, Milton de Medeiros, Tereza, Agenor de Melo Pegado, Odair, Assunção, Regis, Archanjo, Antonio Dias e outras tantas pessoas que com muito amor, doaram o seu melhor ao próximo necessitado, seja de aconchego espiritual, seja de necessidades materiais ou de conhecimento.


E como Daniel citava, a fé sem obras é morta. É necessário praticar a caridade, pois sem ela não há salvação e devemos servir no limite de nossas forças, pois assim fez nosso Mestre Jesus. E ele muito amou e serviu à Deus ao longo de sua estadia na terra.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo