top of page
Buscar
  • Foto do escritorTiãozinho Safrater

“A gente é muito mais ajudado do que ajuda.”

voluntariado


Dona Henedina Voluntária da Casa do Caminho e da Safrater há 40 anos.

Ao falar de trabalho voluntário, a primeira cena que vem na cabeça de muitas pessoas é aquela onde pessoas trabalham numa OSC (Organização da sociedade civil, seja por meio do ensino em escolas localizadas em comunidades ou até mesmo fornecendo auxílio e apoio emocional para apoiar uma causa ou ajudar na manutenção de recursos para uma população carente.


O que muitas pessoas não sabem é que esse é, na verdade, um estereótipo que foi criado sobre de fato o que é trabalho voluntário, sendo essa somente uma das diferentes formar de ser um voluntário.


Pela definição do dicionário, a palavra “voluntariado” pode ser definida como um conjunto daqueles que se dedicam a uma atividade por vontade própria. E é simples assim! Isso significa que qualquer atividade que seja desenvolvida de forma espontânea, visando obter um bem que não pode ser medido por meio de fatores financeiros, pode ser considerada um voluntariado.


Por isso, o voluntariado é considerado como um dos gestos mais nobres da humanidade com um significado muito mais além. É aí onde servimos ao outro disponibilizando aquilo que nos é mais precioso: o nosso tempo.


É uma outra vida depois de nos dedicarmos ao trabalho voluntário.”


Na Casa do Caminho e na Safrater há diversas oportunidades de trabalho voluntário que trazem benefícios para quem é ajudado mas principalmente para quem ajuda. Essa frase dita por Dona Henedina ecoa como grande verdade a quem se dedica a ser voluntário. A história de Dona Henedina é um exemplo, assim que chegou na Casa do Caminho se colocou a disposicão para o trabalho voluntário sem escolher, foi aprendendo com cada uma das experiências e a cada uma delas ia se aperfeiçoando como ser humano. Esses ensinamentos são adquiridos com a prática da doação de seu tempo, vendo o bem que fazia para os auxiliados mas principalmente recebendo amor. Nos grupos em que ainda trabalha, Dona Henedina é chamada de mãe, sua dedicação é adimirável e lhe confere um ar de jovialidade: - “A pessoa que se coloca a trabalhar como voluntário aprende a se doar e é dando que se recebe, quem sai ganhando com tudo isso, além dos auxiliados é a gente mesmo” - afirma sorrindo.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page