top of page
Buscar
  • Foto do escritorTiãozinho Safrater

Nutrição, hábitos alimentares, evitar o desperdício e escolhas certas à mesa no trabalho feito todos

cetecc


A alimentação na Safrater é um assunto levado muito a sério. Afinal, ela é de fundamental importância para se ter uma vida plena e saudável, ainda mais quando estamos falando de um público formado por crianças, adolescentes e jovens

As unidades socioeducacionais da Safrater são um excelente local para haver uma intervenção na formação desses hábitos alimentares, pois é onde crianças, adolescentes e jovens passam a maior parte do tempo, podendo se reeducar nutricionalmente e levar consigo todas as experiências aprendidas durante esse período. A formação dos hábitos alimentares saudáveis é um processo que se inicia nos primeiros anos de vidas. Uma alimentação eficaz é aquela que proporciona ao organismo um bom estado de saúde, que ocorre por meio de uma dieta balanceada contendo vários nutrientes com diversas funções.


Fomos conhecer de perto o projeto sobre o desperdício e alimentação saudável desenvolvido pela nutricionista da Safrater Carmen Carvalho.


Nutricionista do CETECC Carmen Carvalho.

Ela conta que já está com a 4ª turma de estagiários da área de nutrição e que começou o projeto em agosto do ano passado. O obj etivo é ter indicadores de aceitação da alimentação e ir além, pensando no desperdício, nos gastos desnecessários, na aceitação dos alunos e em como é possível melhorar. Para entender um pouco como funciona a dinâmica desse trabalho, falamos com duas estagiárias que integram essa 4ª turma.


A participação dessas estagiárias é edificante por meio de duas vias; primeiro, elas têm a oportunidade de fazer um estudo de campo em uma OSC (Organização da Sociedade Civil) que oferece diariamente centenas de refeições. Com o apoio da nutricionista Carmen, elas têm acesso à cozinha, aos produtos que são doados, ao processo de preparo dos alimentos em todas as etapas, acompanham o serviço na hora das refeições, avaliam os hábitos alimentares das turmas, medem a quantidade de alimento que é descartado, ouvem os beneficiados e trazem informações, conhecimento e reflexões por meio das palestras que ministram. Por outro lado, os beneficiados do CETECC têm acesso a essas preciosas informações sobre alimentação, desperdício, separação do lixo orgânico e do reciclável e ainda se inspiram em conhecer a profissão do nutricionista.


Larissa Nunes Villar, 28 anos e Heloísa Zanelli Inoe, 21 anos, estudantes de nutrição e estagiárias de saúde pública.

Heloísa Zanelli Inoe, 21 anos, estudante de nutrição e estagiária de saúde pública, conheceu a SAFRATER por meio da faculdade UNICID, que já indica o CETECC para esse tipo de estágio. Ela conta um pouco como tem sido sua experiência nesse período: “Quando a professora comentou que era uma OSC junto com uma escola, eu não entendi muito bem. Depois, quando chegamos aqui e fomos apresentadas à estrutura e como recebiam as doações e ajudam tantas pessoas, achei muito legal, porque é muito diferente do que a gente tá acostumado, nunca tinha visto.


“Quando começamos o nosso trabalho no CETECC, a Carmen comentou que

durante um bom tempo vem falando sobre o desperdício. Assim que entendemos de que maneira dar continuidade e agregar. A gente criou uma comunicação impressa orientando os beneficiados a fazerem a separação do lixo, o que era lixo orgânico e o que não era.”

A partir daí conseguimos fazer a pesagem do alimento que era descartado, que é o que de fato sobra no prato, para entender a aceitação dos beneficiados a respeito da alimentação no CETECC. Além disso, fizemos algumas palestras para falar sobre o desperdício, sobre alimentação e abrimos espaço para ouvi-los, para que entendêssemos também o que eles sabiam sobre o assunto e o que eles tinham de curiosidade. O resultado tem sido incrível, eles têm interesse, fazem muitas perguntas e vamos desmistificando muitas coisas no sentido do que faz bem, o que não faz bem, o que engorda, essas coisas, e principalmente orientar sobre a quantidade de alimento que se põe no prato, para entender o que cada um precisa para não gerar desperdício.”


Sinalização no refeitório foi fundamental para iniciar o trabalho de conscientização



Larissa Nunes Villar, 28 anos, estudante de nutrição e estagiária de saúde pública, conta que a educação alimentar é para a vida toda, por isso a importância de as crianças, jovens e adolescentes terem essa orientação: “É um trabalho de formiguinha, a gente fica de olho em como eles estão se alimentando, se estão descartando corretamente o lixo e vamos passando nas salas dando o retorno, perguntando o que gostariam que houvesse no cardápio e, assim, coletamos dados para que, na medida do possível, essa educação alimentar seja fixada na vida deles. Quando a gente pesa o lixo orgânico do almoço, por exemplo, e passa para eles essa informação, é algo que causa impacto, faz refletir e se conscientizar sobre esse desperdício e porque está se descartando aquela quantidade de alimento”, conta. “As conversas com os usuários são fontes de informações preciosas para entender como tornar mais eficiente os resultados desse projeto. No dia em que visitamos o CETECC, as estagiárias estavam fazendo uma pesquisa de satisfação após a palestra, as perguntas tinham como objetivo, entre outras questões, saber mais sobre os hábitos de cada um e visam entre outras coisas diminuir o desperdício.



Quando o projeto começou havia um índice alto de desperdício de comida, com dias em que chegavam a 18 quilos, hoje esse número gira em torno de 4 a 8 quilos, levando em conta cascas de frutas. Esse números revelam o resultado positivo desse projeto de educação nutricional e redução de desperdício alimentar. A dinâmica alimentar do CETECC é um fluxo diário que trabalha de forma orquestrada; os alimentos que chegam, por meio das doações ou não, são recebidos pela equipe que segue as normas de higiene para manipulação de alimentos na cozinha, em seguida são avaliados quanto à qualidade e validade, são higienizados e, sob o olhar da nutricionista, são pensados os cardápios de forma a aproveitar da melhor maneira cada alimento”, completa.



Separando corretamente o lixo orgânico do reciclável foi possível medir o índice de desperdício.

Heloísa e Larissa, que vivenciam essa dinâmica com as profissionais da cozinha, dizem que elas são todas “mãezonas das turmas”, estão sempre abertas para assimilar receitas e novas formas de preparar os alimentos, sempre com muito carinho se preocupando com o prato bem feito de cada usuário. Elas ainda destacam que é maravilhoso esses jovens poderem receber três refeições diárias com esse nível de cuidado e qualidade, pois é também uma forma de adquirirem maiores resultados nos estudos, os mais sábios sempre dizem “saco vazio não para em pé”. Outro aspecto importante que foi abordado diz respeito aos cuidados na hora de se servir no buffet, pouca gente se atenta à necessidade de lavar as mãos, usar toca ou prender o cabelo e não ficar conversando sobre a comida, e isso vale não só no CETECC mas para quando eles vão para uma festa, um restaurante, esse é um procedimento importante paras se levar para toda a vida.



As palestras sobre educaç ão nutricional e desperdício, ministradas por meio do projeto, revelam um grande interesse dos beneficiários do CETECC

As turmas dos cursos do CETECC se renovam a cada seis meses, quando novos usuários chegam, os que dão continuidade em outros cursos já estão familiarizados com as práticas de educação nutricional adotadas, mas quem chega vai passar por esse processo. Daí a importância da continuidade desse projeto que, como ressaltamos, traz experiência na prática para os estudantes de nutrição com a oportunidade do estágio e conhecimento para os usuários do CETECC.


As palestras sobre educação nutricional e desperdício ministradas por meio do projeto revelam um grande interesse dos beneficiários do CETECC. “Mesmo com as dificuldades de colocar em prática no dia-a-dia deles novos hábitos de alimentação saudável, conforme vamos dando dicas, receitas e tirando as dúvidas, os resultados vão aparecendo”, reforça Larissa.


O programa de estágio com os estudantes de nutrição no CETECC é de 9 semanas. Neste período é possível monitorar os hábitos e perceber as transformações, depois novas turmas de estagiários chegam para dar continuidade ao projeto. As conquistas ficam, a base de conhecimento que é disponibilizada abre os horizontes sobre a relevância de cuidar da alimentação e isso envolve saúde, sustentabilidade, responsabilidade ambiental, descarte adequado, redução do desperdício e qualidade de vida.


Dicas para evitar o desperdício


  1. Faça a compra consciente, somente compre o que for consumir , mesmo que tenha que ir mais vezes ao super-mercado. Tenha o controle do que tem em casa.

  2. Aproveitamento integral do alimento –alguns como melancia, banana e abóbora cabotina podem ser integralmente aproveitados, inclusive a casca.

  3. Reaproveitamento do alimento, às vezes sobrou muito arroz, aproveite para fazer um bolinho de arroz, a banana ficou madura demais, congele e depois faça um milk shake.


Receita com Reaproveitamento de Alimento Arroz de forno


Com uma sobra de arroz de um dia anterior, e alguns legumes que estavam na geladeira, consegue fazer um arroz à grega bem saboroso com ingredientes já feitos que iriam para o lixo.


A receita é simples

  • Arroz já cozido

  • Legumes (ervilha, tomate, brócolis, pimentão, cebola, cenoura, couve-flor, azeitona, ovo cozido...)

  • Sal a gosto

  • Azeite

  • Queijo por cima (opcional)


Modo de preparo

  1. Em uma forma coloque o arroz e os legumes, misturando bem

  2. Em seguida adicione os temperos que desejar

  3. Leve ao forno por 15 a 20 minutos apenas para aquecer E PRONTO, SÓ SERVIR!


8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Komentarze


bottom of page